sexta-feira, 30 de julho de 2010

O Talento




“Talento” não significa necessariamente pintar obras-primas. Cuidar das pessoas é um talento. Ensinar é um talento. Fazer com que os outros se sintam bem-vindos é um talento. Administrar é um talento. Ser pai ou mãe é um talento.
Com muita freqüência nos subestimamos às nossas aptidões. O ceramista diz: “quem me dera ser músico; aí, sim valeria a pena...”. O pianista, por sua vez afirma: “se eu soubesse fazer coisas com as mãos...”. Não compare as suas habilidades com as dos outros. Faça o que você sabe fazer. Aceite o talento que tem. A realização vem do desenvolvimento dos seus dons, não de desejar os alheios...

Se Deus lhe deu o dom de trabalhar em uma escola maternal, porque você há de querer ser banqueira e passar a vida mastigando cifras? Dê um pouco de crédito a Ele! Se você é capaz de imaginar quais são os seus dons, Ele também é.

Outra coisa que noto: a maioria das pessoas que dizem que não têm talento não tentou muita coisa. Antes de mais nada, o talento pode ser útil, mas não é tudo! Quando se fala do sucesso de alguém – seja em que área for – quase sempre há uma referência ao seu “extraordinário” talento. Mas, quando essa pessoa fala de seu sucesso, menciona o quanto trabalhou para chegar lá. Ela sabe que o que a diferencia de milhares de outras pessoas é a sua atitude e o seu esforço.

Pessoas passivas e negligentes dão muita ênfase ao talento. Para elas, o talento ou a falta dele é uma desculpa excelente para não fazer nada.

Se há uma importante qualidade comum aos grandes artistas, cientistas, estrelas do esporte, humanistas, empresários bem-sucedidos, não é o talento: é o enfoque. Uma vez que você saiba o que quer, concentre-se nisso! Ninguém consegue fazer tudo. Você não pode salvar as baleias, curar os enfermos e proteger a camada de ozônio - tudo ao mesmo tempo. Deixe algumas tarefas para o resto da humanidade.

(texto de Andrew Matthews no livro "Siga seu Coração")

domingo, 25 de julho de 2010

O Valor da Amizade




A palavra amizade vem do latim "amicitia", que significa também afeição, simpatia, aliança, pacto... Mesmo com todas as possíveis significações do termo, não podemos esquecer que nos referimos a um conceito abstrato, não palpável, não mensurável e não visível.

Para o filósofo grego Aristóteles, a amizade é antes de tudo uma grande virtude, e o bem mais precioso da vida porque, sem ela, de nada adianta ter poder, dinheiro e sucesso...

O fato é que a amizade pertence à esfera dos sentimentos e, como tal, pode ser apenas parcialmente explicada ou descrita. Assim como o amor, a paixão, o desejo, a admiração, a solidão, a angústia e o medo, a amizade ultrapassa todas as explicações racionais e exatas.

Ela é um verdadeiro banquete para o espírito, o coração e as sensações, além de produzir material farto para a prosa, a poesia, o cinema, a música e todas as demais formas de arte.

A literatura, por exemplo, é riquíssima em personagens maravilhosos cujas histórias foram construídas tendo a amizade como pilar de suas aventuras e peripécias. É o caso de Dom Quixote e Sancho Pança, João e Maria, Sherlock Holmes e Watson, entre outros...

Todos personagens riquíssimos e exemplos de amizade tão raros e grandiosos, capazes de aproximar os leitores do significado real desse sentimento nobre.

Cabe a nós descobrir, semear e multiplicar para além da ficção o valor magnânimo desse sentimento... Talvez agindo dessa forma possamos comprovar que a amizade é a certeza do porto seguro, do ombro amigo, do abraço forte e do sorriso franco que amenizam dores, derrotas, tristezas, angústias, temores e inseguranças...

(Gabriel Chalita – livro "A Pedagogia do Amor" – ed. Gente)

sábado, 17 de julho de 2010

O Barqueiro





Em um largo rio, de difícil travessia, havia um barqueiro que atravessava as pessoas de um lado para outro. Em uma das viagens, iam um advogado e uma professora. Como quem gosta de falar muito, o advogado pergunta ao barqueiro:
- Companheiro, você entende de leis?
- Não - Responde o barqueiro.

E o advogado compadecido:
- É pena, você perdeu metade da vida!

A professora muito social entra na conversa:
- Seu barqueiro sabe ler e escrever?
- Também não - Responde o remador.
- Que pena! - Condoi-se a mestra!
- Você perdeu metade da vida!

Nisso chega uma onda bastante forte e vira o barco.
O canoeiro preocupado, pergunta:
- Vocês sabem nadar?
- Não! - respondem eles rapidamente.
- Então é uma pena - concluiu o barqueiro. Vocês perderam toda a sua vida!"

"Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes!"

Pense nisso e valorize todas as pessoas com as quais tenha contato.
Cada uma delas tem algo diferente para nos ensinar...

sexta-feira, 2 de julho de 2010

A recompensa do Pensamento são os Resultados






Se há alguma coisa que você não quer na vida, pare de se preocupar com ela e para de falar nela! É a energia que você investe que a mantém viva. Retire essa energia, e o problema desaparecerá. A briga é o exemplo perfeito: se seu marido voltar para casa procurando briga e você se recusar a discutir, o que acontecerá? Só restará a ele brigar consigo mesmo!

Sempre que você estiver preocupado, constrangido ou simplesmente pensando em alguma coisa, as outras pessoas continuarão falando nela...

Quando a gente de fato abre mão de uma coisa emocionalmente, ela se evapora. Isso leva a outro princípio: quando largamos uma coisa, ela nos larga. Ou seja: enquanto você estiver se defendendo, as pessoas o atacarão. Por que? Porque nós só nos defendemos quando estamos inseguros quanto a nossa situação. Verdade!...

Quer um exemplo? Digamos que você seja objeto de fofocas no escritório. Se começar a fazer declarações públicas afirmando a sua inocência, só estará botando lenha na fogueira. Basta não fazer caso para que tudo passe. Não estou dizendo que você não deva se defender. Não. O que quero dizer é que enquanto protestamos e sofremos, enquanto estivermos saltando de um lado para outro, manteremos o problema vivo.

Eu me lembro de ter visto passeatas de protestos nos anos 60. Perguntei ao meu pai: “Por que eles se espancam assim?”. E ele respondeu: “Porque querem a paz!”. A gente não combate a guerra. Concentra-se na paz.



Em poucas palavras: se você transformar a vida numa campanha contra o que quer que seja, as coisas que combate se expandirão. Decida do que você está a favor.




(texto de Andrew Matthews no livro "Siga seu coração")