quinta-feira, 29 de abril de 2010

O poder de uma semente


Europa, 1934. A praga do anti-semitismo de Hitler infestava o continente. Alguns escapariam dele. Alguns morreriam em conseqüência dele. Mas Heinz, um garoto de 11 anos, aprenderia dele. Ele aprenderia o poder de semear sementes de paz.
Heinz era judeu.
A vila Bavária de Furth, onde Heinz morava, fora tomada pelos jovens fanáticos de Hitler. O pai de Heinz, um professor, perdeu seu emprego. Não havia mais atividades. A tensão nas ruas era cada vez maior.
Os jovens soldados de Hitler perambulavam pela vizinhança procurando confusão. O jovem Heinz aprendeu a ficar de olhos abertos. Quando ele via um bando de desordeiros, passava para o outro lado da rua. Algumas vezes ele escapava de uma luta; outras vezes, não.
Certo dia, em 1934, aconteceu um confronto crítico. Heinz se encontrou face a face com um jovem hitlerista. A surra parecia inevitável, entretanto, ele saiu ileso, não por causa do que fez, mas por causa do que disse. Ele não brigou, apenas falou. Ele convenceu os arruaceiros de que a briga não era necessária. Suas palavras contiveram a batalha. E Heinz viu, de primeira mão, como a língua pode promover a paz.
Ele desenvolveu a habilidade de usar palavras para evitar conflitos. E para um jovem numa Europa dominada por Hitler, essa habilidade teve muitas oportunidades de ser usada.
Felizmente a família de Heinz fugiu da Bavária e veio para a América. Mais tarde ele falava do impacto dessas experiências na adolescência sobre seu desenvolvimento.
É de admirar. Depois que Heinz cresceu, seu nome se tornou sinônimo de negociação de paz. Seu legado se tornou o de um construtor de pontes. Em algum lugar ele aprendeu o poder da palavra de paz dita na hora certa, e alguém pode perguntar se o seu treinamento não ocorreu nas ruas da Bavária.
Você não o conhece pelo nome de Heinz. Você o conhece pelo nome anglicizado de Henry. Henry Kissinger.
Nunca subestime o poder de uma semente. (...) O que você vê não é tudo o que existe. Isto é potencial. Não se trata do que é, mas do que poderá vir a ser.
Deus criou tudo com potencial, inclusive você. Ele colocou uma semente dentro de cada coisa e plantou dentro de cada um que criou. Tudo na vida tem um potencial.
Não aceite o seu presente estado como definitivo porque ele é apenas isso, um estágio, uma fase de sua vida. Não se satisfaça com sua última realização, por que há muitas outras ainda.

"As coisas podem chegar até aqueles que esperam, mas são somente as sobras deixadas por aqueles que lutam".
(Abraham Lincoln)




Texto adaptado do livro Insight I de Daniel Carvalho Luz.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Noite Cheia de Estrelas



Noite Cheia de Estrelas
Noite alta, céu risonho
A quietude é quase um sonho
O luar cai sobre a mata
qual uma chuva de prata
de raríssimo esplendor
Só tu dormes, não escutas
o teu cantor
revelando à lua airosa
a história dolorosa
desse amor

Lua, manda tua luz prateada
despertar a minha amada
Quero matar meus desejos
Sufocá-la com meus beijos
Canto e a mulher que eu amo tanto
não me escuta, está dormindo
Canto e por fim
nem a lua tem pena de mim
Pois ao ver que quem te chama sou eu
entre a neblina se escondeu

Lá no alto a lua esquiva
está no céu tão pensativa
As estrelas são serenas
qual dilúvio de falenas
andam tontas ao luar
Todo o astral ficou silente
para escutar
o teu nome entre as endeixas
As dolorosas queixas
ao luar

Lua, manda tua luz prateada
despertar a minha amada
Quero matar meus desejos
Sufocá-la com meus beijos
Canto e a mulher que eu amo tanto
não me escuta, está dormindo
Canto e por fim
nem a lua tem pena de mim
Pois ao ver que quem te chama sou eu
entre a neblina se escondeu
Jessé

domingo, 25 de abril de 2010

Amigos



Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.



A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências...



A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.



Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.



Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo! Por isso é que, sem que eles saibam, eu oro pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha oração é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.



Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...



Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!



A gente não faz amigos, reconhece-os."

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Descobrindo o diferencial




Um dos grandes dilemas de um líder é decidir de que tipo ele será: o que segue as regras estabelecidas, ou o que estabelece essas regras.



Um exemplo de líder que estabelece as regras do jogo é Howard Putnam, ex-presidente da Southwest Airlines, que não só estabeleceu novas regras na aviação como reinventou seu negócio, diferenciando-se na oferta de valores a seus clientes e também na gestão de pessoas.



Ele começou como carregador de malas em uma companhia; fez carreira na área de marketing na United e, finalmente assumiu a presidência da Southwest – considerada uma das empresas mais bem sucedidas do mundo. Como conseguiu? Implantando o modelo “baixo custo e baixa tarifa”. A companhia aérea não oferece refeições a bordo, não faz reservas mas garante alta pontualidade, padrão de limpeza e diversão no atendimento – em terra e no ar.



Outros líderes e empresas que se notabilizaram por mudar as regras do jogo: Michael Dell, que reinventou a forma de vender computadores na Dell Computers; a ESPN, canal de TV que se especializou em transmissões esportivas; e a Amazon.com que deu início à venda de livros on-line.



Uma frase de Oprah Winfrey – uma das apresentadoras de TV mais influentes dos Estados Unidos, resume bem a liderança diferenciada:

“O grande segredo na vida é que não há grande segredo. Qualquer que seja sua meta, você pode chegar lá se estiver disposto a trabalhar”.



(Texto extraído do novo livro de César Souza, "Você é o líder de sua vida")

terça-feira, 20 de abril de 2010

Ser feliz não é pecado


A felicidade é desprezada por muita gente. A pessoa feliz sofre o preconceito de parecer uma pessoa vazia, sem conteúdo. No entanto, algo ela tem, senão não incomodaria tanto. Será que é porque ela nos confronta com nossa própria miséria existencial? É irritante ver alguém naturalmente linda, rica, simpática, inteligente, culta, talentosa, apaixonada e, ainda por cima, magra! Essa ninfa nunca ouviu falar em insônia, depressão, dívidas, mousse de chocolate?



Os felizes ainda estão associados ao padrão “comercial de margarina”, portanto, costumam ser idealizados - e desacreditados. É como se fossem marcianos, só que não são verdes. Por isso, damos mais crédito aos angustiados, aos irônicos, aos pessimistas. Por não aparentarem possuir vínculo com essa tal felicidade, dão a entender que têm uma vida muito mais profunda. Você é feliz? Não espalhe, já que tanta gente se sente agredida com isso. Mas também não se culpe, porque felicidade é coisa bem diferente do que ser linda, rica, simpática e aquela coisa toda. Felicidade, se eu não estiver muito enganada, é ter noção da precariedade da vida, é estar consciente de que nada é fácil, é tirar algum proveito do sofrimento, é não se exigir de forma desumana e, apesar (ou por causa) disso tudo, conseguir ter um prazer quase indecente em estar vivo.



O psicanalista Contardo Calligaris certa vez disse uma frase que sublinhei: “Ser feliz não é tão importante, mais vale ter uma vida interessante”. Creio que ele estava rejeitando justamente esta busca pelo kit felicidade, composto de meia dúzia de realizações convencionais. Ter uma vida interessante é outra coisa: é cair e levantar, se movimentar, relacionar-se com as pessoas, não ter medo de mudanças, encarar o erro como um caminho para encontrar novas soluções, ter a cara-de-pau de se testar em outros papéis - e humildade para abandoná-los se não der certo. Uma vida interessante é outro tipo de vida feliz: a que passou ao largo dos contos-de-fada. É o que faz você ter uma biografia com mais de 10 páginas.



Se você acredita que ser feliz compromete seu currículo de intelectual engajado, troque por outro termo, mas não cuspa neste prato. Embriague-se de satisfação íntima e justifique-se dizendo que é um louco, apenas isso. Como você sabe, os loucos sempre encontram as portas do céu abertas.



Rita Lee, que já passou por poucas e boas, mas nunca se queixou de não ter uma vida interessante, anos atrás musicou com Arnaldo Batista estes versos: “Se eles são bonitos, sou Alain Delon/ se eles são famosos/ sou Napoleão/se eles têm três carros/ eu posso voar”. Também faço da Balada do Louco meu hino, que assim encerra: “Mais louco é quem me diz que não é feliz”.



Eu sou feliz.

(Martha Medeiros, do livro ‘Divã’, publicado em 2002; este livro deu origem a uma peça e depois a um filme, ambos estrelados pela atriz Lilia Cabral)

sábado, 17 de abril de 2010

Estilingue


Karl Kraus, nascido num mês de abril de 1874, foi um escritor e jornalista austríaco eminente. Ficou conhecido por seus aforismos, especialmente aqueles dirigidos à imprensa e à política. Uma de suas pérolas desnudava a malandragem que caracteriza muitos políticos atuais: “O segredo do demagogo é se fazer passar por tão estúpido quanto sua platéia, para que esta imagine ser tão esperta quanto ele”.

Já estamos em plena temporada eleitoral. Daqui para frente, para usar um termo muito usado recentemente, viveremos uma verdadeira inundação de matérias. Será difícil separar a sinceridade do interesse, em meio a tantos jornalistas que posam como vestais, aqueles que trabalham para veículos que dão o tapa, mas fazem questão de esconder a mão.

Desde que o Brasil adentrou a fase redemocratizante, a máscara da política vem caindo aos poucos. A imprensa faz seu papel, mas não se iludam: a transparência é efeito colateral, e não objetivo central.

A onda de denúncias a que assistimos hoje é fruto da revelação das entranhas do poder, e não da mudança de comportamento: políticos que roubam muito, antes roubavam pouco; políticos que mentem demais, antes enganavam sem alarde. O que são, é o que sempre foram. Como uma foto três por quatro ampliada, o que antes sugere pequeno defeito, surge em real grandeza depois da ampliação...

Antes de atirar pedras a esmo – e em ano eleitoral esse é um dos esportes mais praticados – , é bom identificar o líder da turba. A mais das vezes ele tem motivos não muito idôneos para comandar o ataque. O recente julgamento do casal Nardoni, que ocupou tanto espaço em jornais e na TV, revela que a ampla maioria atira pedras por impulso. E os líderes da turba, quase sempre, empunham microfones ou canetas. Mais que demagogos, gostam de se fazer passar por justiceiros. Cuidado: quando o assunto é eleição, a maior vítima pode ser você...

Texto de Alexandre Pelegi

A coragem do dia-a-dia



“Se me pedissem que desse um único conselho que fosse mais útil
para a humanidade, seria este: espere alguma dificuldade como uma parte inevitável da vida, e quando ela chegar fique com a cabeça
erguida, olhe-a direto nos olhos e diga: - Eu vou ser maior do
que você. Você não pode me derrotar”.
(Ann Landers)




(...)Enfrentar algumas das mais duras realidades da vida requer coragem. (...) Mais do que qualquer outra coisa, coragem é uma decisão. É a decisão de ir fundo e em busca do nosso próprio caráter, de achar a fonte de nossa força quando a vida nos decepciona. É a decisão que temos de tomar se queremos nos tornar plenamente humanos.



Ludwig Van Beethoven é um dos nomes mais conhecidos da história da música. Nascido em 1770 em Bonn, na Alemanha, filho de um tenor e músico da corte, o jovem Beethoven não levava uma vida luxuosa. Aos oito anos ele fez sua primeira apresentação em público como pianista. Apesar do talento prodigioso, Beethoven era maltratado pelo pai dominador, rabugento e bêbado, que o forçava a tocar para divertimento de seus amigos. (...)



Em 1787, Beethoven partiu rumo a Viena para estudar com os mestres. Ignorante quanto aos costumes da alta sociedade e descuidado com a própria aparência, ele não se entrosava com os sofisticados músicos Vienenses. Mesmo assim, logo ganhou fama de pianista brilhante.

Quando sua estrela começava a subir, a morte de sua mãe obrigou-o a voltar para Bonn, onde assumiu a responsabilidade de ajudar a família. Ao retornar a Viena alguns anos mais tarde, Beethoven buscou orientação com Haydn e outros compositores proeminentes da época, como Albrechtsberger e Salieri. Logo, ele estava criando sinfonias e executando suas próprias composições ao piano.



Quando tudo parecia dar certo, algo começou a dar muito errado: aos trinta e poucos anos, Beethoven começou a ter problemas de audição.



Um distúrbio inicialmente sutil foi piorando rapidamente até que, em poucos anos, ele ouvia apenas sons distorcidos e não conseguia distinguir qualquer som alto. A cruel ironia da situação – o músico que não podia mais ouvir a própria música – levou Beethoven ao desespero profundo.



Embora não pudesse continuar a tocar, Beethoven não dobrou suas partituras e procurou isolar-se do mundo. Ele sabia que ainda podia compor. E dedicou-se a compor sob uma perspectiva ainda mais complexa e apaixonada.



Esse fôlego renovado resultou na terceira sinfonia, a Heróica, que agitou o mundo da música. Paradoxalmente à medida que sua audição se deteriorava, sua musica florescia. Ele concluiu dois de seus maiores trabalhos – a Quinta e a Sexta Sinfonia – em 1808, e em 1823 compôs a Nona Sinfonia.

Inspirado no grande poema de Schiller, Ode à Alegria, a Nona Sinfonia personificou os ideais do Iluminismo, desde a declaração de independência até a ciência emergente da era industrial. Escrita por um compositor quase completamente surdo é considerada uma das maiores obras de arte já realizadas.



Se Beethoven tivesse se deixado subjugar pela perda auditiva, ele e o mundo teriam perdido um importante marco para o progresso humano. Por sorte, a natureza concedeu-lhe uma dádiva tão preciosa quanto seu gênio musical: a coragem de enfrentar mudanças devastadoras, recusando-se a deixar seu talento murchar por causa de um golpe do destino.


(...) A vida é dura... e nem sempre é justa. Mas isso não quer dizer que ela não possa ser boa, gratificante e prazerosa. Ainda há muitas razões para dizer sim à vida.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Pare de adiar (Procrastinação)

“O que quer que possa fazer, ou sonhar que possa, comece logo. O arrojo está cheio de poder, magia e gênio.” (Goethe)



Adiar uma tarefa desagradável de vez em quando não é grave, mas se torna um problema quando é uma atitude crônica. A procrastinação, ou o ato de deixar as coisas para depois, sempre foi um dos principais fatores que impediram as pessoas de realizar coisas.



Existem, naturalmente, vários graus de adiamento, mas em todos eles, deixar para fazer mais tarde uma coisa que se poderia fazer agora torna-se um substituto aceitável e uma incrível expressão da auto-ilusão. O fato mais interessante sobre a expressão “mais tarde” é que ninguém pode reprovar-nos ou dizer que estamos mentindo, pois quando somos confrontados podemos retrucar: “Eu disse que faria mais tarde, e ainda não é mais tarde.”



Já foi dito que o adiamento é a mais mortal forma de negação, e quando você diz “mais tarde” para alguma coisa que é realmente importante está se enganando e negando-se o direito ao sucesso.


Não deixe suas possibilidades serem sufocadas pela procrastinação. Faça.

Agora! Quer esperar até que o sofrimento todo se vá? Quer esperar até que

tenha a certeza de que não será “magoado” novamente da maneira como foi pela última vez? Começará quando tiver a certeza de que nunca falhará? Dará o primeiro passo apenas quando estiver certo de que possa completar a jornada? Fará a primeira mudança quando conseguir a chamada inspiração?



Faça! Cresça! Basta de tanta mágoa e lamento! É crucial para o seu sucesso que você comece a pôr um fim nessa mania de adiamento, agora!



Texto adaptado do livro Insight I.

Uma das características do ser humano é emitir julgamentos o tempo todo. Toda vez que conhecemos algo ou alguém, nos apressamos em criar um juízo tentando avaliar qualidades, defeitos e, principalmente, as intenções. Para tanto, usamos a percepção que é construída a partir de como ‘sentimos’ as coisas e as pessoas.


O problema é que somos, sem exceção, maus juízes; pelo menos enquanto não juntamos todos, ou ao menos quase todos, os elementos necessários para concluir com mais qualidade o que pensamos e o que sentimos sobre as outras pessoas e sobre determinada situação. E isso não é fácil, principalmente porque os julgamentos, quando precipitados, tendem a ser emocionais, relegando a razão a uma segunda instância. E quando, ao contrário, tentamos ser racionais demais, também erramos, pois passamos a desconsiderar valores humanos importantes na composição da pessoa integral...



Mas não se culpe, a psicologia nos explica que julgar pelas aparências é normal. A primeira análise que fazemos de uma pessoa ou de uma situação é aquela que busca defender nossa integridade física, portanto é uma análise puramente instintiva. Nosso cérebro primitivo sempre grita ‘cuidado’ diante do desconhecido, principalmente se sua estética não for parecida com a nossa ou com o padrão que apreciamos. A segunda análise é emocional e apenas em terceira instância fazemos um exame racional.


Por isso, dê sempre um tempo antes de emitir um juízo de valor e tenha consciência de que eles nunca serão completamente fidedignos.

(Eugênio Mussak – Uma coisa de cada vez – Ed. Gente)

domingo, 11 de abril de 2010

Qual o sentido da vida?


Tudo o que vive não vive sozinho, nem pra si mesmo.

"Dizem que a vida é curta, mas não é verdade. A vida é longa para quem
consegue viver pequenas felicidades. E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança traquina brincando de esconde-esconde.

Infelizmente às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando nãos: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos.

A vida é mais emocionante quando se é ator e não espectador; quando se é
piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria.
E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou
meses, mas em minutos e segundos. Esta mensagem é um tributo ao tempo.Tanto àquele tempo que você soube aproveitar no passado quanto àquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro. Porque a vida é agora..."

"Não tenha medo do futuro, apenas lute e se esforce ao máximo para que ele seja do jeito que você sempre desejou"

"A morte não é a maior perda da vida.
A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos."

(texto de Norman Cuisins)

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Solidariedade

A Prefeitura começou na ultima terça-feira, dia 06, uma Campanha de Arrecadação de Donativos para auxiliar a população desabrigada após as fortes chuvas que atingiram a cidade do Rio de Janeiro nesta madrugada.
A intenção é arrecadar colchonetes, alimentos não-perecíveis, água, além de roupas para serem doados aos necessitados.

Ao todo, dez unidades da Guarda Municipal receberão os donativos.

Endereços dos postos:


• Centro: Centro Administrativo São Sebastião (sede da Prefeitura - Rua Afonso Cavalcanti, 455, Cidade Nova)

• São Cristóvão: na sede da Guarda (Avenida Pedro II, nº 111)

• Botafogo: na base operacional da GM-Rio (Rua Bambina, nº 37)

• Barra da Tijuca: na 4ª Inspetoria (Avenida Ayrton Senna, nº 2001)

• Madureira: na 6a Inspetoria (Rua Armando Cruz, s/nº)

• Praça Seca: na 7ª Inspetoria (Praça Barão da Taquara, nº 9)

• Lagoa: 2ª Inspetoria (Rua Professor Abelardo Lobo s/nº - embaixo do viaduto Saint Hilaire, na saída do Túnel Rebouças)

• Bangu: na 5ª Inspetoria (Rua Biarritz, s/n)

• Tijuca: na 8ª Inspetoria (Rua Conde de Bonfim, nº 267)

• Campo Grande: na 13ª Inspetoria (Rua Minas de Prata, nº 200)






Adriana Vieira, responsável pelo departamento de ação social da Primeira Igreja Batista de Niterói, região metropolitana do Rio, diz que a comunidade está se mobilizando em prol das vítimas do Morro da Boa Vista, próximo ao templo. Desde a noite desta terça-feira, dia 06, o local está recebendo doações de roupas, alimentos e kit agasalho. “ Muitas doações estão vindo de membros e vizinhos a igreja”, conta. Segundo Vieira,“Muita gente perdeu tudo, inclusive parte da igreja sofreu com as enchentes. Estamos de plantão”

Primeira Igreja Batista em Niterói
Rua Marquês do Paraná, 225
Niterói, RJ
CEP 24.030-210


Viva Rio recebe doações para desabrigados no Rio


O Programa de Voluntariado do Viva Rio está recebendo doações de roupas, leite e alimentos para serem doados aos desabrigados no estado do Rio de Janeiro em decorrência da chuva. A princípio, o único posto de coleta é a própria sede do Viva Rio, que fica na Rua do Russel, nº 76, Glória (em frente à saída da estação do metrô). O Viva Rio receberá as doações de segunda a sexta-feira, entre as 8:00 e as 18:00h.

Informações através do Programa de Voluntariado do Viva Rio:
Tel.: 2555-3785 / 2555-3750, ramais 3256, 3362
E-mails: voluntariado@vivario.org.br; thaisleocadio@vivario.org.br

Campanha SOS RIO - RESSOAR


As doações de qualquer quantia podem ser feitas diretamente nas agências do Banco Bradesco ou nos caixas automáticos pela conta:

Banco Bradesco
agência 922-9
conta corrente 4500-4

Abaixo estão os dados do Instituto Ressoar, no caso de quem quiser fazer o depósito via DOC:

Instituto Record de Responsabilidade Social
CNPJ: 07.669.797/0001-63

Quem vive no exterior pode fazer transferências eletrônicas até mil reais (R$ 1.000,00). Para outras formas de depósito você deve levar os dados da conta mais o código Swift do Bradesco no exterior.

Banco Bradesco - 237
Agência: 0922-9
c/c: 4500-4
Instituto Record de Responsabilidade Social
CNPJ: 07.669.797/0001-63
código swift: BBDEBRSPSPO

Para quantias maiores é preciso procurar o seu agente financeiro no exterior para se informar sobre os procedimentos corretos.

Além disso, a campanha vai incentivar a doação de colchonetes, roupas de cama e banho, material de higiene, fraldas, alimentos não perecíveis, leite em pó e água mineral. como medidas emergenciais de atendimento à população.

As vítimas atingidas e os desabrigados estão precisando com urgência de colchonetes, roupas de cama e banho, material de higiene pessoal, fraldas, alimentos não perecíveis, leite em pó e água mineral.

As doações devem ser encaminhadas para as unidades da Defesa Civil, para os Centros de Referência da Assistência Social do Rio de Janeiro e sedes da Igreja Universal. A sede do RECNOV, local onde são gravadas as novelas da Rede Record também receberá as doações de roupas e alimentos. O endereço é Estrada dos Bandeirantes n. 23.505, Vargem Grande - Rio de Janeiro.

Para saber onde encontrar os Centros de Referência da Assistência Social do Rio de Janeiro clique neste link. O site da Defesa Civil www.defesacivil.rj.gov.br traz os locais indicados para a entrega de doações. Para saber onde encontrar a seda da Igreja Universal mais próxima de você veja no site www.igrejauniversal.org.br e clique no link 'Nossos endereços


Confira a lista de telefones úteis do Rio de Janeiro
Maioria dos serviços abaixo está disponível 24 horas para a população

Água e esgoto
Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) - 0800-2821-195

Animais
Suipa (Sociedade União Internacional Protetora dos Animais)
21) 2501-1529 / 2501-9954 / 2261-6875 / 2501-8691 / 2261-9405 / 2501-1085
Controle de zoonoses - (21) 3395-1595 /3395-2190

Ambulância
Samu - 192

Anjos do Asfalto - (21) 2590-2121

Corpo de Bombeiros - 193

Correios - 0800-570-0100

Crianças desaparecidas - (21) 2286-8337 / 2226-6375 / 2286-7631

Defesa do consumidor
Disque Procon - 1512

Defesa Civil Estadual - (21) 3399-4302 / 3399-4301 / 2293-1713

Defesa Civil Municipal - 199

Disque Barulho - (21) 2503-2795

Disque Verde (Patrulha ambiental) - (21) 2498-1001

Disque Denúncia - (21) 2253-1177

Disque Intoxicação - 0800 722 6001

Gás
Disque CEG - 0800-24-7766 / 0800-282-0205

Iluminação e energia
Light - 0800-282-0120
Ampla - 0800-2821-195
RioLuz - (21) 3907-5600 / 2535-5151

Lixo
Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) - (21) 2204-9999 / 2214-7073

Moradores de rua
Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos - (21) 2299-5451 / 2299-5697
Secretaria Municipal de Assistência Social - (21) 3973-3800

Polícia Militar - 190

Polícia Civil - (21) 3399-3040 / 3041

Praças abandonadas
Fundação Parques e Jardins - (21) 2323-3500

Poda ou remoção de árvores - (21) 2221-2574

Telefonia - 10331

Trânsito
Detran - 0800-20-4040
Disque Sinal - (21) 2508-5500
Disque Transportes - (21) 2286-8010
CET-Rio - (21) 2226-5566

Tapa buraco - (21) 2589-1234

Vigilância sanitária - (21) 2503-2280 / 2215-0690


sexta-feira, 2 de abril de 2010

Dar sem esperar receber...




Havia uma pequena aldeia onde o dinheiro não entrava.
Tudo o que as pessoas compravam, tudo o que era cultivado e produzido por cada um, era trocado.
A coisa mais importante, a coisa mais valiosa, era a amizade.
Quem nada produzia, quem não possuía coisas que pudessem ser trocadas por alimentos, ou utensílios, dava seu CARINHO.
O CARINHO era simbolizado por um floquinho de algodão.
Muitas vezes, era normal que as pessoas trocassem floquinhos sem querer nada em troca.

As pessoas davam seu CARINHO pois sabiam que receberiam outros num outro momento ou outro dia.
Um dia, uma mulher muito má, que vivia fora da aldeia, convenceu um pequeno garoto a não mais dar seus floquinhos.

Desta forma, ele seria a pessoa mais rica da cidade e teria o que quisesse.
Iludido pelas palavras da malvada, o menino, que era uma das pessoas mais populares e queridas da aldeia, passou a juntar CARINHOS e em pouquíssimo tempo sua casa estava repleta de floquinhos, ficando até difícil de circular dentro dela.
Daí então, quando a cidade já estava praticamente sem floquinhos, as pessoas começaram a guardar o pouco CARINHO que tinham e toda a HARMONIA da cidade desapareceu.

Surgiram a GANÂNCIA, a DESCONFIANÇA, o primeiro
ROUBO, o ÓDIO, a DISCÓRDIA, as pessoas se XINGARAM pela primeira vez e passaram a IGNORAR-SE pelas ruas.
Como era o mais querido da cidade, o garoto foi a primeiro a sentir-se TRISTE e SOZINHO, o que o fez o menino procurou a velha para perguntar-lhe e dizer-lhe se aquilo fazia parte da riqueza que ele acumularia.
Não a encontrando mais, ele tomou uma decisão. Pegou uma grande carriola, colocou todos os seus floquinhos em cima e caminhou por toda a cidade distribuindo aleatoriamente seu CARINHO.

A todos que dava CARINHO, apenas dizia:
"Obrigado por receber meu carinho".
Assim, sem medo de acabar com seus floquinhos, ele distribuiu até o último CARINHO sem receber um só de volta.
Sem que tivesse tempo de sentir-se sozinho e triste novamente, alguém caminhou até ele e lhe deu CARINHO.

Um outro fez o mesmo...

Mais outro...e outro...até que definitivamente a aldeia voltou ao normal.



MORAL DA HISTÓRIA:

Fazer as coisas pensando em receber em troca não é o melhor caminho para se conquistar as pessoas. Devemos fazer, sempre, apenas lembrando que um amigo existe é muito importante.

Receber CARINHO é muito bom. E o simples gesto de lembrar que um amigo existe é a forma mais simples de fazê-lo. Se você se doa de coração, com certeza um dia será recompensado.